Últimos posts

Doenças respiratórias podem afetar os olhos

A maior incidência de gripe e resfriado no frio dobra o risco de contrair conjuntivite viral. Limpar objetos com álcool nem sempre elimina o vírus

 

notícias visual laser conjuntiviteO maior desafio da saúde pública é prevenir doenças que afastam a população das atividades diárias. Estimativa da OMS (Organização Mundial da Saúde) aponta que as doenças das vias respiratórias - gripe, resfriado, rinite, sinusite, bronquite e asma - chegam a triplicar no inverno. 

 

De acordo com o oftalmologistar, Leôncio Queiroz Neto, para a saúde dos olhos o maior problema no frio são as aglomerações em ambientes pouco arejados que facilitam a proliferação de vírus. Resultado - cresce o número de casos de conjuntivite viral, inflamação da conjuntiva, durante o outono e inverno. A baixa umidade do ar nos dias mais frios também reduz as defesas do organismo e resseca todas as mucosas, inclusive a lágrima que tem a função de proteger a superfície ocular. 

 

Resultado: Nesta época do ano, o ressecamento dos olhos associado à gripe ou resfriado dobra o risco de contrair conjuntivite viral. Isso porque, explica, apesar da conjuntivite ser causada por adenovirus, a gripe pelo influenza e o resfriado pelo rinovirus, as doenças das vias respiratórias são um claro sinal de baixa imunidade e maior vulnerabilidade dos olhos. 

 

Os grupos mais atingidos são: Mulheres na pós-menopausa que têm redução da produção lacrimal, crianças que estão com o campo imunológico em desenvolvimento e idosos que têm o organismo mais frágil. Dos três, comenta, as crianças são as que melhor reagem porque tomam diversas vacinas que as tornam mais resistentes. 

 

Os sintomas são: pálpebras inchadas, vermelhidão, coceira, ardência, sensação de areia nos olhos, lacrimejamento, secreção transparente e fotofobia (aversão à luz). Por ser altamente contagiosa, observa, é um importante fator de afastamento do trabalho que pode durar de três a quatro semanas. 

 

Queiroz Neto afirma que nas empresas os maiores veículos de contaminação são os teclados de computador, mouse e interruptores de luz. O especialista também chama a atenção para os carrinhos de supermercado e balcões do varejo. Nem sempre passar álcool nos objetos elimina o vírus. A dica para evitar o contágio é lavar as mãos com freqüência, principalmente depois de usar objetos que foram manuseados por outras pessoas e ingerir bastante água para manter a hidratação. 

 

O tratamento da conjuntivite viral é feito com compressas geladas, lubrificação intensa e colírios antiinflamatórios que aliviam os sintomas, mas só devem ser usados sob prescrição e acompanhamento médico. O especialista também recomenda uso de óculos escuros que além de melhorar o conforto evitam a proliferação de vírus pela exposição à radiação ultravioleta. Um erro comum cometido por muitas pessoas, afirma, é usar água boricada que aumenta a irritação e pode causar alergia. Como toda doença viral, ressalta, a conjuntivite tem seus sintomas controlados pelos medicamentos, mas o vírus pode criar resistência mesmo sob medicação. Por isso, há casos em que se formam membranas na conjuntiva que exigem tratamento com corticóide e até aplicação de laser para remover opacidades que reduzem a acuidade visual.

 

Fonte: bonde.com.br