Últimos posts

Pacientes com glaucoma não sabem usar colírios, diz pesquisa

Pesquisas recentes realizadas nos Estados Unidos trazem à tona um grave problema que pode custar caro aos pacientes com glaucoma: a perda da visão. Segundo dois estudos, pessoas que já sabem que possuem a doença e fazem o tratamento médico estão falhando na hora de administrar os colírios que controlam a progressão do glaucoma, a segunda causa de cegueira no mundo, depois da catarata, de acordo com a Organização Mundial da Saúde.

 

 

Segundo o professor-doutor em Oftalmologia pela Universidade Federal de São Paulo, Marcello Colombo Barboza, também diretor do Hospital Oftalmológico Visão Laser, em Santos, essas pesquisas devem servir de alerta para médicos e pacientes."A administração incorreta do colírio para o glaucoma é tão perigosa quanto ter a doença e não saber. Em ambos os casos, o paciente corre sérios riscos de perder a visão para sempre".

 

No primeiro levantamento, nove entre 10 pacientes erram na hora de pingar o colírio. Os pesquisadores concluíram que as falhas mais comuns são: tocar o frasco do remédio na área dos olhos ou no próprio olho, o que pode causar contaminações; deixar o colírio cair nas pálpebras e no rosto e fechar os olhos logo após o pingo. Desta forma, o colírio sai pelo canal lacrimal. Outra pesquisa, com 204 pacientes, comprova que 71% conseguem pingar o colírio e que só 39% aplicam o remédio sem encostar o frasco no olho. Alguns pingam várias gotas em vez da única prescrita.

 

A doença

Com causa desconhecida, o glaucoma compromete o nervo óptico encarregado de levar as mensagens visuais ao cérebro. Correm mais riscos os que passaram dos 40 anos, pacientes com altos graus de miopia, histórico familiar da doença e com a pressão intraocular elevada. A doença na forma mais comum, que responde por 80% dos casos, é silenciosa, não provocando dor ou outros sinais. No entanto, ao ser descoberta, pode ser controlada com medicamentos, que impedem sua progressão e o comprometimento da visão. Alguns casos são passíveis de cirurgia a laser ou implante de drenagem no olho.

 

Acredita-se que 4,5 milhões de pessoas estejam cegas no mundo devido aos efeitos do glaucoma. Até 2020, a estimativa é de que existam 11,2 milhões de afetados pela doença e com perda da visão. Procurar um oftalmologista e fazer os exames preventivos são atitudes que devem ser adotadas por pacientes com mais de 35 anos.

 

Dicas para aplicação de colírios:
 
Agite antes de usar.
 
Ficar deitado é mais fácil. Se estiver sentado, incline a cabeça para trás na hora de pingar.
 
Evite encostar o frasco do medicamento no olho.
 
Pingue o colírio  na região chamada de fundo de saco inferior, que é uma pequena bolsa que se forma ao puxarmos a pálpebra inferior para baixo e para frente. Segure por alguns instantes.
 
Pisque normalmente e feche o canal lacrimal (parte perto do nariz) em torno de 10 segundos.
 
Pingue uma gota de cada vez.
 
Se o colírio cair fora do olho, pingue uma nova gota.
 
Mantenha o frasco fechado e em local arejado.
 
Siga as instruções e a frequência de uso do seu médico.  

 

Fonte: atribuna.com.br